Nos meus quase 30 anos senti a necessidade de criar um espaço onde tentarei apenas comunicar, e sorrir. Aqui está ele!

24
Set 08

Entre a decisão e a indecisão, se vão tomando rumos que constroem o presente, e abrem-nos o caminho para o Futuro.
A esperança que os caminhos se endireitem, e de encontrar linhas rectas, existe, mas por enquanto são curvas e precipícios que vejo.
A vontade de o ver fora de casa, mas o medo de o perder.
O querer a minha solidão de volta, aquela pela qual lutei aos 18 anos, e que 10 anos depois deixei escapar por um amor, que durou apenas um momento.
O medo de não saber mais viver a solidão, a independência, e a autonomia do dia a dia agora que me habituei a ser quase casada...
O receio de não ter forças para seguir em frente com esta decisão, e o receio de não ser suficientemente inteligente para voltar atrás...

E a surpresa, sem surpreender, do que foi um fim de semana feliz... apenas isso... amanhã será a falta de respeito a reinar, e eu serei o livro de reclamações dele. amanhã quinta feira, e não um amanhã longínquo..

 

E onde está a força da Menina-Mulher que quis ser independente aos 18, e aos 20 anos teve o filho mais lindo do mundo? Nem por um só dia desisti, do meu caminho... e afinal chego aqui, onde o filho me dá toda a energia para ser profissionalmente bem sucedida, onde o filho me faz sorrir, sempre! mas não posso ter em conta a presença daquele que foi o príncipe encantado. Senão este blog, Sorri, Sempre! deixa de fazer sentid.o Não há sorriso que ele consiga tirar de mim, e eu sou tão fácil de surpreender, e eu sou  tão fácil de conquistar...

 

Encho o peito de ar, sustenho a respiração, e quando não aguento mais deixo-o sair, de uma vez só! Sorrir, seguir em frente, ser apenas eu. E deixar a minha espontaneidade decidir o Futuro, tal como tem feito até agora.

 

Hoje, fica a incerteza entre o "isto nunca vai dar nada", e o "pode ser que ele procure ajuda psicológica e que mude!".... Pois é...O erro de tantas e tantas relações... esperar que o outro mude.... e erradamente, eu sorrio para a ironia da incerteza, e sigo em frente. 

publicado por r__casimiro às 12:23
sinto-me: incerta

19
Set 08

E foi assim...

Depois de um dia de muito trabalho, por um lado cansada, por outro sentia-me realizada, que tudo acabou...

 

Concluí que sou muito nova, para me deixar subjugar por uma qualquer pessoa. Concluí, depois de várias conversas para o chamar à razão, onde vi resultados rápidos e imediatos, sem duração apreciável, que conversas não nos iam levar a lado nenhum.

 

E então, preparei-me para o momento. Aproveitei a ausência do Alexandre, cheguei a casa, liguei a televisão bem alto, num canal de música. Estava a passar as melhores canções de amor de sempre. Ainda pensei que ouvir canções românticas me podiam fazer voltar atrás, mas não.

As músicas passavam, e eu não sentia nada. Nada.

 

E o José chegou a casa, e começou a refilar, porque a porta estava trancada. Eu expliquei... E depois começou por causa do meu lanche ser uma pizza, e eu expliquei, ...e depois começou porque o congelador estava cheio.... E depois bateu com a porta do congelador, e disse asneiras. Não, decididamente, não é isso que eu quero. Eu continuei no sofá, a ver a minha série preferida, e no intervalo fui à cozinha, e ele estava a jantar... Pois é, diariamente, chego faço o jantar, chamo-o para jantar, ele come ou não come, não posso contar com ele para comer, e não posso deixar de fazer comer para ele. Mas nunca, nunca jantei sem primeiro chamá-lo.

 

Esta atitude, fez com que aproveitasse o intervalo para me sentar na cozinha durante 2 minutos e lhe dissesse apenas, que temos de repensar na nossa vida, de forma a prepararmos a separação. Disse-lhe de forma clara para ele procurar outro local onde morar, disse-lhe que ele não tem o direito de andar aos pontapés ao meu congelador, e chega de faltas de respeito. Disse-lhe que para mim, nada muda. Continuamos a morar na mesma casa, mas desta vez, com uma perspectiva de futuro em que nos encontramos separados.

 

E... claro que o José foi apanhado de surpresa. Talvez pensasse que eu ficaria o resto da vida a aturar as suas cenas. Talvez ele ainda tivesse esperança que algo mudaria. Mas não mudou. Um ano e nada mudou. Apenas a minha forma de reacção mudou. Deixei de gritar, de responder. Deixei-o falar, deixei-o ofender, deixei-o entrar nos seus monólogos psicóticos, e eu nada disse.

 

Quanto ao amor físico, pois, há muito que me dei conta que o José se tornava outra pessoa no dia em que tinha vontade de sexo, então aí ele era o José por quem eu me apaixonei há 18 meses atrás... Mas no dia seguinte, voltava ao mesmo.

As coisas complicaram-se exactamente quando a vontade física foi reduzindo para uma/duas vezes por semana. Então eu tinha alguém de quem eu gostava durante dois dias e alguém de quem eu não gostava durante 5 dias.

E foi piorando.... até haver vontade física de duas em duas semanas... Nesta altura, eu decidi.

E fiquei quietinha no meu canto, com a minha decisão. Até chegar  momento de comunicar-lhe. Quis ter certeza, se bem que eu acho que não há certezas efectivas.

Chegou o momento. Agora tenho as minhas certezas consolidadas, de forma a saber que tomei uma decisão clara, sem dramas, sem discussões, sem mágoa e sem rancor. Apenas uma decisão difícil, como tantas outras.

 

E venha o dia seguinte.

publicado por r__casimiro às 10:19
tags: ,

04
Set 08

E é assim, lá foi o filho para mais uns dias passados no campo, na companhia dos primos de idades semelhantes.

 

Aproveito para ir ao cinema, ir jantar fora, e por fim, adormecer cansada.

 

Escolho um novo restaurante japones no odivelas parque, com serviço buffet e qualidade superior ao Hong Sha Long, restaurante japones com os tapetes rolantes, tambem no odivelas parque. Não faço ideia do nome, apenas foi-me recomendado pelo meu colega mal cheiroso**. daí, por ter sido ele, tenho algumas duvidas.

 

Estou decidida a ir, ainda assim sugeri ao josé* que fossemos juntos. resmungou qq coisa que não ouvi, mas que penso referir-se ao facto de ainda na segunda feira termos ido jantar fora(foi ao vegetariano buffet - o Terra)

 

Ainda assim já convidei duas amigas que adoram japones e costumam acompanhar-me ao osaka. tambem elas nao me deram resposta.

 

O filme... vejo mais logo, mas depois de uma pausa de 2 semanas sem cinema, deva haver algum que eu nao tenha visto e me interesse pelo menos um pouco.

 

agora vou mas é ao trabalho!

 

beijinhos

 

 

 

 

* Aproveito para apresentar: o José é o meu meio namorado, meio marido. Alguns tios insistem em chamar-lhe marido, e eu uso a aliança ora na mão direita, ora na mão esquerda. mas nao me sinto nem quero estar casada. apenas a aliança é enorme, maior que uma de casamento, e andam sempre a perguntar-me se a aliança nao está na mão errada. eu lá vou dizendo que não, era apenas aliança de namoro, pelo que ouvi exclamações do tipo: que exagero e tal.  e depois farto-me e passo-a para a esquerda. Hum,... ha tambem outra coisa, detesto a ideia de ter a marca da aliança queimada pelo sol...

Portanto o José é o meu namorado, conhecemo-nos em março de 2007, estava tudo a correr bem, até o colega com qm ele partilhava o apartamento ter-se mudado para o Porto(em agosto). Então, enquanto ele dizia que ia procurar um quarto para  morar, e nunca o procurou, eu na minha inocencia, disse-lhe que ele podia ficar em minha casa, de forma provisoria. se nos entendessemos, teriamos de mudar de casa. ora bem, há coisas que nos arrependemos, e esta é, sem duvida, uma delas! sinto que fui manipulada de forma subtil. ou entao nao, fui mesmo é estupida. o futuro o dirá. enquando diz e nao diz, sorrio :-)

 

** colega mal cheiroso - este apresento depois

 

 

publicado por r__casimiro às 14:46
tags:

Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


subscrever feeds
arquivos
Contador de Visitas
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO